Café: Silas Brasileiro debate assunto de interesse das cooperativas com ministro Patrus Ananias

12.11.2015

 

— Deputado solicitou ao ministro um aprofundamento dos estudos e debates a respeito da interpretação e da aplicação dos dispositivos relativos ao trabalho escravo

 

Na manhã do último dia 2, o ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Patrus Ananias, recebeu, em seu gabinete, o deputado federal Silas Brasileiro. O encontro, em Brasília (DF), ocorreu para tratar da Portaria Interministerial MTE/SEDH n.º 2/2015, de 31/03/2015, publicada no DOU de 1º/04/2015 — conhecida como lista suja do trabalho escravo — e da Instrução Normativa n.º 83 do INCRA, que estabelece as diretrizes básicas para as ações de obtenção de imóveis agrícolas para fins de assentamento de trabalhadores rurais.

O deputado Silas Brasileiro, que também é o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), solicitou ao ministro um aprofundamento dos estudos e debates a respeito da interpretação e da aplicação dos dispositivos que constam nas referidas Portaria e IN, no intuito de afastar toda e qualquer subjetividade que paira sobre a matéria.

Para o deputado Silas, os produtores rurais das cooperativas de café têm sentido os reflexos negativos da interpretação dúbia dos dispositivos da Portaria Interministerial e da IN. “Um cooperado só poderia ser inscrito na relação da lista suja, que é a denominação que se dá em relação ao trabalho análogo ao de escravo, após ter sido julgado nas instâncias competentes e considerado culpado. No entanto, isso tem ocorrido dentro do critério do fiscal, que, em muitos casos, é subjetivo e ideológico, e, assim, o produtor tem seu nome inscrito, comprometendo o seu crédito, o produto que cultiva, nesse caso o café, bem como a sua Cooperativa, antes do julgamento”, explica.

O parlamentar comenta, ainda, que, atualmente, existem empresas que bancam algumas Organizações Não Governamentais (ONGs), que trabalham no sentido de comprometer o sistema Cooperativo de produção, enviando informações para o mercado consumidor externo. “Essas instituições emitem a comunicação de que em determinadas cooperativas existem, ainda que injusta e indevidamente, cooperados inscritos na lista suja, criando, dessa maneira, restrição ao fornecimento de café para o mercado consumidor”, crítica Silas Brasileiro.

Segundo ele, a inscrição do produtor se faz de imediato, contudo, após julgar improcedente a notificação, leva-se um enorme tempo para retirar o agricultor da referida lista, sendo esta uma forma de especulação usada maldosamente, com nítidos interesses comerciais. “As pessoas que fazem esta manipulação e utilizam de normativos que já foram julgados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF) esquecem que a cafeicultura, uma atividade que gera 8,4 milhões de empregos e movimenta a balança comercial com aproximadamente US$ 7 bilhões em exportação, poderá sofrer prejuízos irreversíveis”, alerta.

O deputado anota que o setor não é e nunca será contrário à penalização daqueles que mantêm empregados sob condições análogas às de escravidão, porém atesta que isso não é usual na produção de café no Brasil. “Revelamos ao ministro que nossa preocupação é com os procedimentos utilizados pela fiscalização dos órgãos federais. Ao procederem a inserção dos nomes dos produtores rurais na conhecida ‘lista suja’, parece-nos que são inadequados, subjetivos e fundamentados em dispositivos legais indevidos”, concluiu Silas Brasileiro.

O ministro Patrus Ananias prometeu reavaliar a posição do MDA e dar uma resposta oficial ao deputado Silas Brasileiro, nos próximos dias, a respeito da inconstitucionalidade da IN n.º 83, a qual já foi manifesta pela AGU.

Please reload

Sobre Silas Brasileiro

Estatuto do Idoso 

Colheita do café avança com boa qualidade

23.07.2020

Presidente do CNC fala sobre levantamentos de safra no Agro+ da BAND

21.07.2020

BALANÇO SEMANAL CNC - 06 a 10/07/2020

10.07.2020

BALANÇO SEMANAL CNC — 28/10 a 1º/11/2019

01.11.2019

BALANÇO SEMANAL CNC — 21 a 25/10/2019

25.10.2019

1/3
Please reload

  • Instagram - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle