top of page

Governo brasileiro apresenta plataforma AgroBrasil + Sustentável a chineses



Plataforma de rastreabilidade está sendo desenvolvida pelo Ministério da Agricultura em parceria com o Serpro, com o apoio da Embrapa, CNA e CNC


A convite da Secretária de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo (SDI) do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), Renata Bueno Miranda, o Conselho Nacional do Café (CNC), representando a iniciativa privada e a produção do setor cafeeiro, participou de reunião nesta quinta-feira, 01, com o objetivo de acompanhar a apresentação da plataforma de rastreabilidade AgroBrasil + Sustentável, em desenvolvimento pelo Governo Brasileiro, a representantes institucionais chineses.


O motivo principal foi explicar ao grupo chinês como o Brasil enxerga e quer se posicionar com relação às exigências globais de mercado. No desenvolvimento da plataforma de Governo, o Brasil demonstra seu protagonismo no entendimento da importância da preservação do meio ambiente, na preocupação com as frequentes mudanças climáticas e no acolhimento educativo ao produtor nacional para que o mesmo tenha participação no mercado e entenda seu papel no desenvolvimento da economia.


A Dra. Renata Bueno Miranda, Secretária da SDI, conduziu a reunião que contou com a participação de Bruno Brasil, diretor do Departamento de Produção Sustentável, Irrigação e Cooperativismo (Depros SDI/MAPA), Bruno Vilela, Superintendente de Relacionamento com Clientes de Negócios Estratégicos – SUNES – representando o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Felipe Spaniol, coordenador de Inteligência Comercial da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e Silas Brasileiro, presidente do CNC, representando o setor produtivo cafeeiro nacional.


Bruno Brasil apresentou as funcionalidades da plataforma e destacou os fundamentos da mesma que se baseia em cinco princípios fundamentais: i) Integração e segurança dos dados via Blockchain: A plataforma utiliza a tecnologia Blockchain para garantir a integridade e segurança dos dados, oferecendo uma solução confiável para as informações sensíveis dos produtores. ii) Universalidade: A abordagem da plataforma é universal, buscando englobar todos os produtores, independentemente do porte ou segmento, promovendo uma inclusão abrangente no sistema. iii) Adesão voluntária: A participação na plataforma é voluntária, permitindo que os produtores adotem a tecnologia de acordo com suas preferências e necessidades. iv) Custo zero ao produtor e às cooperativas: Um dos diferenciais destacados por Bruno Brasil é a ausência de custos para os produtores e cooperativas, tornando a adesão à plataforma mais acessível e vantajosa. v) Estratégia inclusiva com serviços de crédito e suporte aos produtores: Além da integração de dados, a plataforma visa oferecer suporte aos produtores, incluindo serviços de crédito, promovendo uma abordagem abrangente para o desenvolvimento do setor.


Bruno Brasil ressaltou ainda a importância da criação da plataforma governamental por se tratar de dados sensíveis dos produtores. Segundo ele, a adesão é vantajosa, uma vez que todo cidadão já está cadastrado no sistema do Gov.br, proporcionando um ambiente de navegação amigável e seguro.



Bruno Vilela assegurou que o Serpro está integralmente alinhado com os objetivos de fomentar o agronegócio brasileiro. Destacou o papel fundamental desempenhado pela instituição na estruturação dos sistemas de dados do país, sinalizando um comprometimento firme com a modernização e eficiência do setor.


O representante do Serpro elucidou ainda que a plataforma de Governo para o Agronegócio contará com uma robusta sustentação tecnológica proporcionada pela estrutura e equipe capacitada da instituição. Essa base tecnológica sólida visa garantir a segurança, integridade e eficiência na gestão dos dados sensíveis dos produtores, consolidando a confiança no sistema.


Em nome da CNA, Felipe Spaniol destacou que a plataforma se torna essencial para diversos elos da cadeia produtiva que estão sob as legislações e as exigências de mercado globais. Ele reforçou o compromisso da agricultura brasileira em seguir o Código Florestal do país, evidenciando a responsabilidade do setor em relação à sustentabilidade e conformidade com padrões internacionais.


Felipe reforçou ainda o coro dos demais participantes ao destacar a importância de uma plataforma governamental padronizada. Essa unificação é vista como um antídoto para evitar a pulverização de informações essenciais e a consequente confusão para os produtores.


Admiração pela legislação ambiental brasileira


Os representantes chineses expressaram um profundo conhecimento e admiração pela legislação ambiental brasileira, notadamente o Código Florestal. Eles sugeriram que a plataforma desempenhe um papel fundamental na garantia de certificação, assegurando que os produtos exportados cumpram integralmente as exigências da lei brasileira e internacional. Isso, segundo eles, fortaleceria a confiança nas transações comerciais.


Destacando que o objetivo da China não é impor legislações, mas sim estabelecer uma parceria comercial, os representantes chineses enfatizaram a importância de um diálogo bilateral na transição para padrões de mercado que atendam a requisitos ambientais e sociais. Eles se mostraram favoráveis a uma abordagem colaborativa na adequação das práticas do agronegócio.


O representante da Embaixada Chinesa, Eduardo Minoru Chikusa, enfatizou a sólida parceria entre Brasil e China, destacando a confiança construída ao longo de 50 anos. Após as apresentações dos representantes brasileiros, ele expressou segurança em relação a quatro grandes preocupações: a plataforma nacional padronizada e inclusiva, custo zero ao produtor, a implementação de tecnologias, incluindo Blockchain para segurança de dados sensíveis, e a ênfase na transmissão de segurança ao comprador.


Silas Brasileiro reforça que a adesão à plataforma de governo será voluntária e gratuita, tendo abrangência nacional. “Diversas cadeias produtivas estão desenvolvendo plataformas específicas para seus produtos, a exemplo da carne. O café terá também a opção através do Cecafé junto ao Serasa Experian, além da plataforma governamental. O CNC vem acompanhando a pauta da rastreabilidade e das legislações desde o início, tendo sido convidado pelo Mapa a contribuir na construção de ferramentais e políticas agrícolas de interesse nacional, em especial do setor cafeeiro. A parceria entre Mapa, Embrapa, Serpro, CNA e CNC só fortalece o agronegócio brasileiro e os nossos produtores no mercado internacional”, ressaltou.


O SDI anunciou a realização de reuniões para apresentação a outros países, assim como para alinhamento de questões técnicas com relação à plataforma, que será lançada oficialmente no dia 24 de julho de 2024.



Linha do tempo da atuação do Conselho Nacional do Café em apoio à Plataforma Brasil Agro+Sustentável


04/09/2023 – Reunião com a Dra. Renata Miranda (Secretária de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo do Mapa), em que o conceito e as funcionalidades da plataforma foram apresentadas ao setor privado do café.


06/10/2023 – Abrimos espaço em nossa Reunião Ordinária para que o Dr. Bruno Brasil (Diretor de Produção Sustentável e Irrigação – DEPROS/SDI) realizasse a apresentação completa e detalhada da plataforma aos conselheiros e convidados, momento também que destacamos o trabalho que vem sendo realizado pelo Cecafé na plataforma do Serasa Experian.


09/11/2023 – Alinhamento com as equipes técnicas do Mapa e das instituições que estão envolvidas de funcionalidades da plataforma para acompanhamento e apoio às tratativas necessárias.


26/01/2024 – Reunião entre a Dra. Renata Bueno, Clecivaldo de Sousa Ribeiro, Silas Brasileiro e Isadora Quevedo no Mapa para alinhamento das ações em 2024.


01/02/2024 – Reunião com representantes institucionais chineses para apresentação da plataforma.


Mais informações para a imprensa

Assessoria de Comunicação

(61) 3226-2269

bottom of page