top of page

CNC vai à Alemanha representar a produção cafeeira nacional em encontro sobre sustentabilidade


O Conselho Nacional do Café (CNC) embarca para Berlim, na Alemanha, para participar de reunião do projeto “Diálogo sobre Sustentabilidade do Café”, que será realizado nos dias 04 e 05 na capital alemã. O encontro está sendo promovido para discutir a renda próspera e digna no setor cafeeiro, assim como impor ações de transparência e rastreabilidade do café produzido no mundo. Além disso, está proposta uma discussão sobre as crises climáticas e o impacto da cafeicultura no meio ambiente.


“Justificando a nossa participação, em nossa visão, medidas são tomadas pelo mercado sem que tenham conhecimento da realidade da produção de café do Brasil. É de nossa responsabilidade, como representantes das cooperativas de produção, mostrar e colocar com participação presente os temas que serão discutidos, que são extremamente sensíveis, e não podemos nos calar sem esclarecer a realidade da cafeicultura nacional”, explica Silas Brasileiro, presidente do CNC.


O CNC levará à Alemanha informações importantes sobre os projetos desenvolvidos no Brasil, como por exemplo, o Programa Café Produtor de Água. O Conselho Nacional do Café, com uma visão voltada para a proteção dos mananciais e matas ciliares, lançou o programa em 2021, em convênio com as associações e cooperativas vinculadas à entidade, além dos parceiros: Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB – Sescoop), Ministério da Agricultura e Pecuária, Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (EMATER-MG), Prefeitura de Alpinópolis/MG e Cooperativa dos Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé).


Os objetivos são bem claros: cuidar do meio ambiente com a preservação das matas ciliares, protegendo os mananciais, além de proporcionar a recuperação de estradas vicinais, fundamental para escoamento da produção e melhoria da qualidade de vida da população rural. Como consequência, evitará o assoreamento de rios e lagos, promoverá proteção de nascentes, oferecerá a construção de bacias de contenção, evitando assim, erosões. O alcance é muito grande e, assim, mostraremos que é possível produzir com qualidade e preservar o meio ambiente.


Parte da estratégia de implementação prevê premiar os produtores rurais de café, por serviços ambientais prestados, que se comprometem e executam o conjunto de ações preconizadas pelo Programa.


Alemanha: importante parceiro comercial

Silas Brasileiro, presidente do CNC, lembra que a Alemanha é o segundo maior comprador de café do Brasil, sendo um importante parceiro comercial nacional. “O CNC vai à Alemanha, que é um player importante, para mostrar aos europeus que o café produzido no Brasil é de extrema qualidade, e tem um programa cooperativista inigualável no mundo. Nosso café é o mais avançado no mundo quando o assunto é produção sustentável, o que atendemos muito bem social, ambiental e econômico. Apesar disso, as últimas imposições do mercado externo têm aumento os custos de produção sem rentabilizar o produtor. Estamos trabalhando por uma remuneração mais justa aos produtores que cultivam com responsabilidade, vamos explicar para o mercado que é para atendimento da legislação Europeia e que necessitamos de tempo para sua aplicação no campo”.


Encontro conjuntos dos comitês técnicos

Para alinhar a pauta da regulamentação do Parlamento Europeu a produtos livre de desmatamento, o CNC promoveu um encontro conjunto dos seus comitês técnicos (foto), nesta sexta-feira (28). “Estamos trabalhando em ações conjuntas apresentando soluções para esclarecimento sobre a legislação ambiental em nosso país, destacando o Código Florestal e o Cadastro Ambiental Rural (CAR). Por isso, compreender o avanço da rastreabilidade demandada pela nova regulamentação e mercado e manejo de carbono são estratégicos para estarmos preparados para tomadas de decisão”, ressaltou Silas Brasileiro.

A reunião conjunta dos quatro comitês técnicos do CNC com os convidados, o professor Antonio Zamunér, Universidade de Catalão e Luiz Grossmann, CEO da Optionline, “foi para mostrar que no Brasil se produz café dentro do princípio da sustentabilidade, discutir o manejo do carbono, a rastreabilidade, ações que já estamos aplicando. No entanto, o destaque se faz por um fator preoponderante: tempo. A legislação aprovada pelo Parlamento Europeu, por falta total de conhecimento prático deverá ser observada em um prazo exequível e não com forma assoberbada, sem uma explicação de como deverá ser atendida na prática, sem comprometer a oferta de café dos países, afetando os pequenos produtores, principalmente, excluindo esses cafeicultores familiares do mercado por não terem tempo de uma adaptação às exigências e sem o reconhecimento de remuneração justa para gerar renda em sua atividade”, destacou o presidente do CNC.


Mais informações para a imprensa Assessoria de Comunicação Alexandre Costa – ascomsilasbrasileiro@hotmail.com (61) 3226-2269

Comments


bottom of page